Avisos:

A Banda de Amarante vai apresentar-se em Peroselo, Penafiel, para a festa em honra da Nª Srª da Visitação, no próximo dia 7 -- VI Estágio de Verão e Curso de Aperfeiçoamento de Sopros e Percussão (este ano com o maestro José Rafael Pascual Vilaplana) de 19 a 23 de Agosto -- Banda Musical de Amarante - Vencedora do 1º Prémio/III Escalão do IV Concurso Internacional Ateneu Artístico Vilafranquense e Prémio Tauromaquia

segunda-feira, 9 de junho de 2008

Revolução 9 - 7 Presidência

Começou mais cedo a actividade da Banda que o que discriminava o programa das Festas. Às nove e meia da manhã de Sábado, já se juntava à porta do complexo desportivo da Costa Grande um grupo suficientemente grande de executantes, directores e amigos (ao contrário do que alguns previam), de modo a ser realizar o tradicional jogo de futebol integrado nas actividades das Festas da Cidade.
A ajudar, uma fervorosa claque, formada pelas nossas senhoras e meninas da Banda, veio ajudar a motivar os jogadores e cultivar um bom ambiente. Contou-se também com a participação de um jovem jogador das escolas do Amarante FC, o central Ricardo, sobrinho da nossa executante em clarinete, Beatriz. Uma jovem promessa a quem se profetiza um percurso brilhante, tal como alguém da mesma posição, mesma cidade e mesmo nome.

Assim sendo, passe-se desde já ao relato do jogo.
Equipas iniciais:
Revolução
- Cristiano (bombardino)
- Agostinho (trompete)
- José Albano (sax. tenor)
- Fábio (flautim)
- Ricardo (amigo da Banda)
Presidência
- Dinis de Mesquita (presidente)
- Vitor (vice-presidente)
- Óscar (percussão)
- Miguel C. (percussão)
- J. Miguel (amigo da Banda)
Suplentes usados
Revolucao
- Miguel M. (tuba)
Presidencia
- Fábio (flautim)
- Pedro (sax. tenor)

O jogo começou equilibrado, factor que mesmo com os golos se evidenciou. Senão veja-se. O marcador abriu com um bem colocado remate de Vítor do corredor esquerdo. O vice-presidente inaugurava o marcador quando, apesar do domínio da Revolução, a Presidência mantinha a calma e o controlo dos acontecimentos. No entanto, a Revolução iria chegar ao empate com um golo de Agostinho. O trompetista estreava-se a marcar nos jogos da Banda. A equipa dos mais jovens evidenciou mais o seu domínio ao chegar à vantagem pouco tempo depois, mas a jogada da manhã viria então confirmar este equilíbrio inicial. A partir de um canto, o presidente Dr. Dinis de Mesquita assiste J. Miguel para um cabeceamento colocadíssimo, sem hipótese de defesa para o guarda-redes de então na equipa Revolução. Uma jogada mais que estudada e, provavelmente, caseira, visto o presidente ser o pai do goleador.
No entanto, a equipa Presidência viria a sofrer um rombo, quando Miguel C. sofre uma entorse no tornozelo. Continuou em campo mesmo assim, mas ficando à baliza, contendo o esforço. Com a chegada de Miguel M., Fábio deu-lhe o seu lugar, o que proporcionou mais força e número de remates à baliza contrária, com o recém-entrado a marcar logo por duas vezes. Com as forças restabelecidas, Fábio entrou por fim para o lugar de Miguel C. que pode finalmente parar um pouco. A equipa da Presidência perdia consistência, face a uma equipa Revolução com um bom entrosamento e nem a entrada de Pedro veio desiquilibrar mais a favor da Presidência. Com muito trabalho de finta, corrida e passe de Cristiano e Ricardo, e bom jogo sem bola dos restantes, a Revolução foi aumentando a vantagem até aos 9-4. A equipa da Presidência só chegaria a uma recuperação minimamente relevante quase no fim, com jogadas individuais. Com os avançados da Revolução perdulários e cansados, a Presidência recuperaria até aos 9-7, realçando uma boa jogada individual de Óscar.

O jogo acabaria então com este resultado e com direito a invasão de campo. Contou-se com bom ambiente, muita proximidade entre os elementos, euforia e até mesmo um Sol abrasador que se fez de convidado. Houve tempo para uma foto de família final. Estavam abertas as actividades da Banda nas Festas do Junho 2008. Fica o agradecimento aos amigos da Banda, às nossas senhoras e meninas por proporcionarem ainda mais divertimento à actividade, e aos executantes, neste dia jogadores.

Poucas horas depois, seriam vistos todos estes, e mais alguns, devidamente fardados, com seus instrumentos, e prontos a golearem e brindarem o público, desta vez de notas musicais. Mas fica para uma outra história.

1 comentário:

Liliana disse...

Ai ai... que lindas que estamos... o que eram os batatoons sem nós!... :)